Melhores Práticas SAGAH: Peer Instruction e debates em sala de aula

11 dezembro, 2018

A SAGAH promoveu a primeira edição do Prêmio Melhores Práticas, que teve como objetivo conhecer e premiar histórias inspiradoras promovidas por professores em sala de aula, por meio da nossa metodologia e/ou conteúdo. Foram três cases premiados, e você vai conhecer abaixo o 2º lugar, conquistado pelo Professor Rodrigo de Rosso Krug, da Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ).

O projeto consistiu em uma aplicação de Peer Instruction em uma turma do curso de Educação Física. Estavam presentes 15 alunos na dinâmica e o conteúdo da aula era sobre atividade física e doenças coronarianas.

A estrutura da aula, por se tratar de uma metodologia ativa, foi baseada em uma leitura prévia do conteúdo, questionamentos iniciais e individuais, questionamento em grupos e aula expositiva. Durante a fase de questionamentos iniciais e individuais, foram aplicadas seis perguntas referentes ao tema. Entre essas, duas tiveram 100% de acertos, outras três tiveram 75% de acertos e somente uma teve menos de 30% de acertos. Dessa forma, no momento de questionamentos em grupos, o professor dividiu a turma em grupos, de três ou quatro pessoas que tivessem dado respostas distintas às perguntas individuais, afim de que debatessem seus argumentos para cada alternativa e respondessem novamente, e em consenso, as mesmas questões feitas anteriormente. Durante a discussão e colaboração, caracterizada pelo Peer Instruction, a taxa de acertos aumentou consideravelmente. Após esta etapa de grupos, Prof. Rodrigo ainda ministrou uma aula expositiva dialogada para consolidar o aprendizado da matéria e pedir aos alunos que respondessem algumas perguntas sobre o método de ensino.

Foto: Arquivo Pessoal

Os 15 alunos deram nota máxima para a metodologia de ensino e, em relação aos benefícios desse formato, os estudantes destacaram a interação com os colegas, a facilidade em tirar dúvidas por meio do debate, e a motivação em aprender por meio de uma aula que os envolve ativamente. Ainda, na opinião dos discentes, houve uma evolução na aprendizagem e a fixação do conteúdo foi maior. Como pontos de atenção, também foi destacada a necessidade da leitura do material prévio para que todos pudessem participar e contribuir com os grupos.

“Como docente confesso que nunca havia utilizado este método de ensino, e saliento que gostei muito de aplicar o método. Achei muito interativo e criativo, me senti bem fazendo algo diferente. Percebi maior envolvimento dos alunos com a aula e com o conteúdo, e, principalmente, gostei do debate entre eles sobre o assunto”, conta Rodrigo. O professor também conta que, nas aulas seguintes, os alunos perguntaram quando teriam novamente este tipo de aula. Assim marcou uma nova data para aplicar a metodologia, e em sua opinião mais uma vez foi um sucesso. “Todos os alunos leram o material previamente e nos debates sobre as questões 80% deles participou de forma satisfatória, ativa e com muito entusiasmo”, completa.

Veja o case que ficou em primeiro lugar:

Melhores Práticas SAGAH: tutoria personalizada para alunos com dificuldade de aprendizagem


Compartilhar

RELACIONADOS