Com reformulação da oferta de ensino, Faculdade Monteiro Lobato conta com a SAGAH na aplicação de metodologias ativas.

11 de Abril de 2018

As metodologias ativas possibilitam um maior engajamento e efetividade no processo de ensino e aprendizagem, e sua implementação requer uma dedicação das Instituições de Ensino em envolver sua comunidade acadêmica nesse processo. Ao entender a necessidade de inovar por meio de metodologias ativas, a Faculdade Monteiro Lobato encontrou na SAGAH uma parceria que integra conteúdo, tecnologia e serviços estratégicos. Ainda, a Instituição integrou tanto alunos quanto o corpo docente para que se sentissem integrados e preparados para aproveitar ao máximo os benefícios dessa metodologia que, comprovadamente, aumenta a satisfação e o desempenho dos estudantes.

Bruno Eizerik, Diretor da Mantenedora da Faculdade Monteiro Lobato, relatou pontos essenciais do processo de implementação do projeto SAGAH na faculdade:

 

Reunião com professores

 

O ano de 2018 é um recomeço para a Faculdade Monteiro Lobato, de Porto Alegre. Depois de longos estudos sobre como melhorar a oferta do Ensino Superior aos alunos, chegou a hora de colocar o nosso plano em prática. Todos os cursos de graduação foram reformulados, com a introdução de metodologias ativas, e teve início o que promete ser uma nova página na história da nossa instituição.

A preparação da mudança não foi fácil. No ano passado, os alunos já foram informados, em linhas gerais, sobre o processo de mudança. E os professores começaram a formação, que foi concluída em março deste ano dentro da instituição. Trouxemos profissionais qualificados, e para isto contamos com o apoio do Grupo A, para nos auxiliar. Foi fundamental a parceria dos professores que compraram a ideia da mudança.

A busca pela inovação teve como suporte a literatura, apesar de rara quando se trata de novas metodologias no ensino superior, mas também se buscou outras instituições sabidamente inovadoras como a Uniamérica, no Paraná. Poderíamos nos inspirar em outras IES, mas o modelo deveria ser adaptado à nossa realidade.

Como os conteúdos devem seguir as diretrizes do MEC, e para isto escolhemos utilizar o material da Sagah, a decisão foi por inovar na forma de ensinar.

 

Reunião com Porfessores

 

Entre as principais mudanças, está a substituição das disciplinas por módulos temáticos, onde são alocadas as Unidades de Aprendizagem da Sagah. O aluno não escolhe mais que dia ele tem aula, as aulas, para todos, são de segunda a sexta. Nesses módulos temáticos são desenvolvidos, os conteúdos das extintas disciplinas. Além disso, adotamos o ensino híbrido, pois 20% da carga horária, o aluno pode cumprir fora da sala se aula.

Metodologias ativas passaram a estar presentes em todas as aulas, com o objetivo de fazer do aluno o protagonista do seu aprendizado. Esse novo formato permite que o aluno aprenda no seu ritmo, tempo e estilo, por meio de diferentes formas, dentro e fora da sala de aula. Entre as principais metodologias adotadas estão a Aprendizagem baseada em problemas (PBL); Estudo de Caso; Aprendizagem entre pares; Aprendizagem Baseada em times (TBL); Sala de aula invertida; Simulações; e diferentes tecnologias (Kahoot; Mapas conceituais digitais; Sobek, vídeos elaboração, entre outros).

Na primeira semana do ano letivo, o funcionamento do novo modelo foi explicado com detalhe aos alunos e neste ponto foi fundamental a presença do Grupo A, pois os alunos tiveram uma noite dedicada a conhecer as Unidades de Aprendizagem da Sagah e a Plataforma Blackboard.

Já se passou um mês do começo das aulas, e a avaliação dos alunos é positiva. O mais impactante nessa mudança, na opinião dos professores, é ver os alunos mais engajados e comprometidos com o aprendizado.